O FIL

 

“E nós passarinhos” …

 

O solo não estava firme o suficiente e então o FIL abriu as asas da imaginação, encheu o peito de coragem, soprou o ar da liberdade e resolveu voar alto, sem nada que o prendesse ao chão. 

 

Calendário cultural do Rio de Janeiro, o FIL - Festival Internacional Intercâmbio de Linguagens chega a sua 17ª edição, de 09 a 13 de outubro de 2019, com atrações nacionais, internacionais, uma programação repleta de atividades formativas, participativas e interativas - e ainda terá sessões especiais para escolas e universidades, além de master class para o público. A grande novidade deste ano é a realização de um leque de programação e atividades de excelência para os bebês. Será lançada ainda a primeira exposição on-line do FIL, a FaceGenerationS, e direto da França o multiartista David Bartex apresenta a performance de artes visuais “Feixta dos Tribos”. 

 

Este ano, o evento assume seu apelido: FIL Maravilhas e, como um adolescente inquieto, em intensa transformação, revela a pulsante, peculiar e irreverente veia do festival. Intercâmbios, trocas, conversas, convergências, parcerias, colaborações daqui e de fora do país, misturas alquímicas, cruzamentos de mundos, o FIL é o lugar das “coisas que não têm nome”.  A proposta é unir cada vez mais gente – de todas as idades – para conhecer, saborear a arte , assistir a atrações raras, participar e criar novidades. 

 

“Livre, laico, diverso e nutrido de esperança, o FIL volta sua programação de 2019 para a múltipla identidade nacional. Sendo todo o FIL uma obra que envolve outras obras de arte, o festival banha de luz e maravilhas o coração e os olhos do espectador. De todas as idades”, diz Karen Acioly, inventora e diretora geral do FIL. A grande novidade deste ano é uma inédita programação de espetáculos de excelência para bebês com espetáculos interativos como “Sarau brasileirinho”, para engatinhantes e andantes; espetáculo de experiências sensoriais, como “O Barquinho Amarelo”, vindo de Santa Catarina; e “A Rainha e as abelhas”, espetáculo de dança interativo para bebês. Acompanhando tudo isso, a exposição sensorial de luz e a residência artística “Sonhos de papel”, com artistas brasileiros e belgas.

 

Sobre a FaceGenerationS no FIL

 

Nesta edição de 2019, adolescentes e jovens que cresceram junto com o festival também são reverenciados pelo talento. Será lançada a primeira exposição on-line do FIL, a FaceGenerationS. “A intenção é revelar, dar voz e vez a 26 novos artistas, de todo o Brasil. Afinal quem são eles? O que pensam? O que sentem? O que querem? Como pensam o mundo? Quais são as faces da nova geração de artistas contemporâneos?”, completa Karen, curadora do FIL, que partir da ideia de autorretratos, convidou os jovens artistas a descobrirem de que maneira poderiam transformar em arte seus pensamentos, ideias e sentimentos. O projeto envolveu uma pesquisa em três etapas: entrevista inicial, sensibilização e produção audiovisual, revelando um painel surpreendente de uma nova face de talentos entre 14 e 19 anos. Esta ideia começou em 2018, no site do Riofestival, e agora ganha novos voos. A exposição on-line passa a integrar, a partir de agora, o site do FIL. As inscrições para a FaceGenerationS  2020 já estão abertas. Envie para o email participeFIL@gmail.com com vídeos curtos de até 2 minutos, feitos através do celular para participar da seleção.

 

Em exposição virtual participativa, o FaceGenerationS, cria o “Feixta de todas as tribos”, dia performático, pela primeira vez no Laguinho e na Sala Vianinha da ECO-UFRJ. O “Feixta de todas as tribos” contará com a participação do artista francês David Bartex, que vai dar um novo significado ao Laguinho da Eco com a pintura de um painel em formato de cubo e temas da identidade brasileira– além do coral da Urca, cosplayers e bailarinos através de intervenções inusitadas. Assim, os ímpares poderão encontrar seus pares. Artistas convidados para a Feixta de todas as tribos: David Bartex (Instalação cenográfica ao ar livre / França), Coral da Urca (Musica Cênica), Patrícia Sauer (Dança contemporânea), Flavia Venturini (Dança contemporânea) e Sophia Sauer (Dança contemporânea).

 

E, para arrematar tudo isso, o FIL abraça forte os alunos de cenografia da Unirio, os de jornalismo e artes da Cena da Eco e outros tantos desgarrados do ensino médio, como voluntários propositivos e ativos fundamentais dessa nova edição.

 

Bem-vindos ao FIL 2019!

Karen Acioly, inventora e diretora geral do FIL

Álbum FIL Maravilhas

  • Facebook - Black Circle
  • Tumblr - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle